fbpx

O Combustível do Inferno

Artigos
2 Comentários

Nas Escrituras, o inferno é claramente associado a um lugar que está constantemente em chamas ou que contém muito fogo. Jesus diz que lá o fogo não se apaga e o verme não morre. No entanto, meu objetivo nesse artigo não é conjecturar sobre o ambiente desse lugar de tormento e muito menos sobre detalhes de como as coisas acontecem por lá, até porque acredito que isso não nos importa muito, pois que o que realmente importa é que vivamos aqui de forma a não estar lá por toda a eternidade, por meio da Graça de Deus.

Mas quero falar de algo que acontece bem aqui, na terra, e que pode fazer toda a diferença para que passemos a eternidade com Cristo ou no inferno.

Como vimos, o inferno é um lugar de fogo e o fogo é um fenômeno físico que requer algumas coisas para ocorrer, como a presença de oxigênio, por exemplo. Contudo, definitivamente, não há fogo se não houver combustível para alimentá-lo. E é exatamente sobre esse combustível que eu quero falar e vou começar a fazer isso com uma pergunta.

Qual é o combustível que mantém o fogo do inferno aceso continuamente?

Para responder isso eu vou citar um teólogo germânico anônimo, que em um dos seus escritos afirmou: “Nada queima no inferno, exceto a vontade própria.”

O que isso quer dizer?

Quer dizer que o homem caído não tem nenhuma esperança em si mesmo de se livrar deste lugar de tormento. Quer dizer que tudo o que é o seu “eu” só o levará à perdição eterna. Quer dizer que a única esperança de se livrar da morte eterna é deixar de lado coisas como “eu faço”, “eu quero”, “eu decido”, “por mim mesmo” e coisas semelhantes a essas. Quer dizer que assim como a madeira é um combustível para o fogo permanecer aceso aqui na terra, toda a “vontade própria” é o combustível que mantém o fogo do inferno acesso por toda a eternidade. E isso vale tanto para homens quanto para anjos caídos, pois todos carregam em si, até o inferno, o fato de “viverem por si mesmos”, abandonando a submissão ao Criador.

Graças a Deus, em Cristo Jesus, que quando somos alcançados pela salvadora e imerecida Graça de Deus, recebemos o remédio definitivo para esse problema, deixando de ser potenciais combustíveis para o inferno, isso porque deixamos o nosso “eu” de lado, na verdade, esse “eu” que as Escrituras chamam de “velho homem”, morre com Cristo, é crucificado com Cristo. Desta forma, a operação do Evangelho em nós traz a existência uma nova criação, e é sobre isso que Jesus fala quando cita o novo nascimento, dizendo a Nicodemos que é preciso nascer de novo para ver o Reino de Deus.

Deus, por meio de Cristo, ao nos amar primeiro e nos alcançar, troca o nosso velho “eu”, que seria um combustível certo para queimar no inferno, por um novo “eu”, que na verdade é Cristo em nós. E é isso que Paulo quer dizer quando em Gálatas 2:20 escreve: “Agora não sou mais eu, mas é Cristo que vive em mim. A vida que agora vivo no corpo, vivo-a pela fé no filho de Deus, que me amou e se entregou por mim.”

Por isso, dia após dia, precisamos negar a nós mesmos e tomar nossa cruz, para seguirmos a Jesus. Desta forma, somos uma nova criação, pois não fazemos nada por nós mesmos, não temos mais decisões “soberanas” a tomar em relação as nossas vidas, pois agora é Cristo que vive em nós. E assim como Ele ressuscitou e está para sempre com o Pai, nós também viveremos para sempre com Ele, por toda a eternidade. Aleluia!

O fato incontestável revelado pelo Evangelho é que todos os que resolverem assumir o controle de suas próprias vidas e assim viverem como acharem melhor, são potenciais combustíveis para o inferno, pois tudo o que queima lá é a vontade própria de seres criados que não quiseram se submeter ao seu amoroso Criador.

Portanto, em vez de reclamar quando o Senhor nos guia por caminhos que vão contra nossa própria vontade, deveríamos glorificá-lo ainda mais, pois isso é sinal de que Ele vive em nós, por meio de Cristo, e de que não somos e nem seremos combustível para o fogo do inferno. Nisto reside o prazer de obedecermos a Deus em alegre submissão, pois sabemos que Ele tem cuidado de nós e que Ele fará tudo para que o seu próprio Nome seja glorificado. Todavia, é aí que as profundezas do coração de muitos supostos seguidores de Jesus são reveladas, pois o prazer desses pseudocristãos não está em Deus ser glorificado, mas sim nos benefícios que Deus pode dar a eles.

Lembre-se sempre que o maior desejo de Cristo é glorificar o Pai, acima de tudo, por isso Ele deu sua vida e sofreu sem hesitar; e se é esse Cristo que vive em nós, nosso desejo também precisa ser o mesmo, a saber, que o Nome do Senhor seja glorificado, seja em coisas boas que Ele faça por nós ou em problemas, tribulações, sofrimentos ou qualquer outra situação que não agrade nosso velho “eu”, mas que glorifique o Nome Dele, mesmo que de uma forma que não consigamos entender enquanto ainda temos essa mente humana, terrena e limitada.

Para finalizar, peço ao Senhor, em Nome de Jesus, que liberte-me de mim mesmo e de minha própria vontade, e peço que Ele faça isso com você também, para que assim, vivendo Ele em nós, não colaboremos com nossa própria alma como combustível, para que o fogo do inferno seja alimentado ainda mais.

Pense nisso e submeta-se sempre a Ele, que apesar de ser Senhor também nos chama de amigos, Jesus Cristo.

Com amor,

Pr. Raphael Melo

P.S.: Por favor, se você gostou desse artigo, comente abaixo e compartilhe-o agora mesmo no Facebook, e seja instrumento de Deus para que mais pessoas sejam tocadas por essa mensagem. Muito obrigado! 🙂

Comentários do Facebook

Post anterior
Reino de Justiça
Próximo post
Enfrentando os Problemas do Dia a Dia

Posts Relacionados

2 Comentários. Deixe novo

  • JOSE RENATO CABRAL DA SILVA
    1 de dezembro de 2015 09:11

    Me enche de alegria quando, pela manhã, leio um artigo como este. Isso me torna a ver como eu sou, um pobre pecador que carece da misericórdia de Deus. Um trapo imundo que precisa ser lavado, uma ferida que precisa ser tratada, um barro que precisa ser moldado. Vejo hoje o quanto tenho sido um combustível para que o inferno continue ardendo e o quanto preciso mudar nas minhas atitudes. Preciso ver em Deus o quanto sou dependente Dele, coisa que só lembro quando estou em dificuldades ou em pecado. Quero aqui, neste momento, reconhecer minha total dependência de Deus, o quanto eu preciso Dele, o quanto preciso renovar minha alma e espírito, o quanto preciso conhecer mais a Deus e ser conhecido por Ele.

    Responder
  • Vanderlei F. Barros de Oliveira.
    25 de junho de 2016 20:52

    Belissíma e muito inspirada mensagem!…Ela vem diretamente ao encontro do que sinto quando leio estas pasagens do evangelho!…Glorias a Deus por nos conseder ela com tão grande clareza!…Abração a todos…

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Menu