O Evangelho das Trevas

Artigos
2 Comentários

– O melhor plano é darmos a eles o que querem, mas fazendo com que tudo soe em nome do Nazareno – Disse um dos demônios presentes naquela reunião, cujo local não se pode precisar ao certo, da mesma forma que a data não é conhecida.

– E é por isso que ele está chegando aqui, enviado pelo próprio príncipe, pois não há melhor aliciador do coração dos filhos de Adão do que ele. – Respondeu a figura que se assemelhava a uma estátua de gárgula com vida.

Foi quando, no meio daquela reunião de anjos caídos que ocorria no alto de uma montanha, um grande estrondo se ouviu e pôde ser vista a figura indescritível e terrível daquele que era chamado de Mamom.

Todos se curvaram um pouco, fazendo um tipo estranho de reverência, totalmente desprovida de respeito ou admiração, algo como uma coisa forçada e transbordante de ódio, exatamente como soava tudo o que diziam e faziam cada uma daquelas criaturas.

– Calem-se todos e vamos prestar atenção ao que Mamom tem para nos dizer, pois ele vai nos explicar de forma exata o plano do príncipe, no qual cada um de nós deverá trabalhar com dedicação a partir de hoje. – Disse uma figura parecida com um cadáver humano, branca como vela, sem nenhum pelo no corpo, com lábios azuis e que vestia-se com um tipo de manto negro.

Sem perder tempo, o recém-chegado, com ar sarcástico e superior, parou na frente de todos e disse o seguinte:

“Estou aqui porque o príncipe determinou que um novo evangelho seja criado, com a mesma intenção de sempre, que é a de substituir o caminho do inimigo e dar aos filhos dos homens algo em que possam satisfazer seus desejos caídos, sob o lema de que estão praticando o cristianismo.

Vocês sabem que sou a riqueza que eles tanto desejam, sou o que está por trás da forma com que encaram o dinheiro nesses tempos. Contudo, como é de nosso costume, não usarei meu nome, a fim de que não se fique claro que é a mim que vão adorar, enquanto pensam adorar o Nazareno. Para isso temos um nome perfeito e com uma aparência bem nobre, que vou lhes dizer assim que terminar de explicar-lhes o que preciso.

Vamos atrair as pessoas ao nosso engano chamando-o de igreja, como também já é de nosso costume fazer. Algo que impeça que homens e mulheres sejam discípulos da cruz, pois vamos acabar com o ensino de Lucas 14:33, que diz “Assim, pois, todo aquele que dentre vós não renuncia a tudo quanto tem não pode ser meu discípulo”.

Para isso, eis os quatro pilares do nosso doce e agradável novo evangelho das trevas:

Primeiro, faremos com que a base da mensagem seja algo que torna difícil com que os filhos de Adão entrem no que o inimigo chama de “Reino dos Céus”. O Nazareno disse-lhes muitas coisas interessantes para esse nosso pilar, que estão registradas em Marcos 10:23-27. Dentre elas destaco que ele disse: “Quão dificilmente entrarão no reino de Deus os que têm riquezas!” e disse também que “É mais fácil passar um camelo pelo fundo de uma agulha do que entrar um rico no reino de Deus”. Portanto, mesmo que ele tenha dito aquela baboseira de que o que é impossível ao homem é possível para o criador, ficou bem claro que o fato de alguém ser rico torna mais difícil a salvação de tal pessoa. Pois esse é exatamente o primeiro pilar que usaremos, criando uma igreja que estimule as pessoas a ficarem ricas em nome do inimigo, o que fará com que seja muito difícil a salvação da alma das mesmas.

Em segundo lugar, vamos dar a eles um evangelho que os faça serem atormentados por muitas dores e que faça com que afoguem a si mesmos na ruína e na perdição. E para isso, deliciosamente usaremos uma mensagem que contraria e blasfema abertamente do que Paulo escreveu em 1 Timóteo 6:6-10, contradizendo aquilo tudo que vocês já sabem sobre piedade com contentamento e satisfação em ter o que vestir e o que comer, que está escrito lá.

Prosseguindo para o terceiro pilar, chegamos na maravilhosa filosofia de mensagem que contradiz completamente o que o Nazareno disse sobre ajuntar tesouros na terra. Você sabem que ele disse o que está escrito em Mateus 6:19: “Não acumuleis tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem corroem e onde os ladrões escavam e roubam”. Pregaremos dos “santos” púlpitos que fundaremos exatamente o contrário. Diremos que o inimigo quer abençoar as pessoas, fazendo elas serem cada vez mais ricas, acumulando cada vez mais tesouros na terra.

E em quarto lugar, vamos anunciar uma calorosa mensagem que destrua completamente o que está Hebreus 13:5-6, que diz “Seja a vossa vida sem avareza. Contentai-vos com as coisas que tendes; porque ele tem dito: De maneira alguma te deixarei, nunca jamais te abandonarei. Assim, afirmemos confiantemente: O Senhor é o meu auxílio, não temerei; que me poderá fazer o homem?”. Então, enquanto o inimigo diz que o fato de ficarem contentes com o que têm honra a promessa do criador de não abandoná-los, nós ensinaremos nossos membros a não se conformarem e não aceitarem situações de pobreza ou mesmo de não riqueza. Não é de lamber os dedos de vontade de começar logo?

Enfim, esses são os quatro pilares principais de sustentação da filosofia da nossa mensagem. No entanto, é claro que seremos criativos e encontraremos diversas outras formas de fazer com que os filhos de Adão blasfemem do crucificado e de sua mensagem, enquanto acham que estão agradando a ele. Faremos de tudo isso uma nova cultura, uma nova vertente moderna do cristianismo, que vai gerar muitas ramificações, de onde certamente virão coisas muito interessantes, inventadas pelos próprios filhos dos homens, para as quais daremos sempre o maior apoio.

Para terminar aqui e liberá-los para irem ao trabalho, é importante salientar que o sinal de que estão sendo abençoados por seu deus, que no caso sou eu, é que serão prósperos e sempre ganharão mais e mais, visto que a pobreza ou mesmo o fato de alguém não ser rico, vai simbolizar algum pecado ou uma grave falta de fé. A propósito, falando em prósperos, eu disse que daria o nome do nosso evangelho e vou fazer agora. Ele se chamará evangelho da prosperidade. Não é lindo?

Agora vão e comecem o trabalho!”

Imediatamente, como um raio, todos desapareceram e saíram cada um para seus próprios lugares, para reunirem espíritos imundos sob suas ordens e dar início a tudo. Mamom ficou sozinho e sorridente no alto daquele monte, apenas esperando a hora de começar a ser adorado por aqueles que acreditarão adorar ao inimigo, coisa que, aliás, não é nenhuma novidade para ele…

Pr. Raphael Melo

P.S.1: Por favor, se você gostou dessa história, comente abaixo e compartilhe-o agora mesmo no Facebook, e seja instrumento de Deus para que mais pessoas sejam tocadas por essa mensagem. Muito obrigado! 🙂

P.S.2: Esse é um trabalho de ficção que visa alertar as pessoas para o perigo de um tipo de pregação que alega ser cristã, mas que, na verdade, contraria os princípios ensinados por Jesus e pelos apóstolos.

Comentários do Facebook

Post anterior
Forte e Valente
Próximo post
O Morto e os Vivos

Posts Relacionados

2 Comentários. Deixe novo

  • Vivemos dias em que as pessoas buscam as riquezas para mascarar suas fraquezas e debilidades, querem um evangelho falso que busca as riquezas e não o verdadeiro pai celestial, o reino dos céus. São pessoas cegas em seus delitos e pecados que não conseguem de forma nenhuma ver que estão sendo enganadas. Vamos viver dias difíceis em que somente aqueles que tem o discernimento do verdadeiro espírito de Deus vai conseguir vencer.
    Que Deus nos ajude

    Responder
  • William Cesar da silva
    6 de janeiro de 2016 15:11

    É realmente muito forte está história e fico triste em ver que muitas igrejas estejam agindo assim

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Menu