Contaminações Sexuais

Artigos
1 Comentário

Atualmente, há quase um consenso, plantado no inconsciente coletivo da sociedade, de que é possível entregar-se sexualmente a outra pessoa (ou a outras pessoas), sem nenhum tipo de consequência. Não se dá mais nenhuma importância ao fato de que pessoas carregam em si aspectos físicos, psíquicos, psicológicos e espirituais, que invariavelmente são compartilhados entre quem está envolvido em uma relação sexual. Durante o sexo, dois se tornam um. E isso vai muito além do que se pode imaginar. A intimidade sexual gera um contágio inevitável nos quatro aspectos citados.

Antes de continuar, precisamos ler, com atenção, alguns trechos das Escrituras:

Por isso deixará o homem a seu pai e a sua mãe, e unir-se-á a sua mulher, e serão os dois uma só carne; e assim já não serão dois, mas uma só carne.” (Marcos 10:7-8)

Ou não sabeis que o que se ajunta com a meretriz, faz-se um corpo com ela? Porque serão, disse, dois numa só carne.” (1 Coríntios 6:16)

Por isso deixará o homem seu pai e sua mãe, e se unirá a sua mulher; e serão dois numa carne. Grande é este mistério; digo-o, porém, a respeito de Cristo e da igreja.” (Efésios 5:31-32)

No primeiro e terceiro textos, fica claro que fala-se da boa consequência trazida pela mistura de corpos, mentes e almas, que uma união sexual gera. No entanto, baseados no segundo, quando Paulo usa o texto de Gênesis, citado por Jesus e por ele mesmo (nos outros dois), vemos que o mesmo pode ocorrer para o mal, como no exemplo citado, que refere-se a uma relação de sexual de um homem com uma prostituta. Concluímos, então, que qualquer relação sexual produz esse tipo misterioso de troca entre dois seres humanos.

Nas Escrituras, o marido (também como um símbolo de Cristo) aparece cuidando da sua esposa (símbolo da igreja) como quem cuida da sua própria carne, ou seja, de si mesmo, em uma referência clara ao fato de que os dois, de uma forma misteriosa e não totalmente compreendida pela limitada mente humana, agora são apenas um. De forma semelhante, a bíblia nos diz que a mulher cristã santifica o marido incrédulo, e vice-versa, obviamente, caso contrário ficariam os dois impuros.

Indo mais especificamente ao assunto deste artigo, quero falar sobre as desastrosas consequências colhidas por pessoas que se entregam ao sexo fora do casamento, desviando-se da forma com que Deus planejou que ele fosse praticado e aproveitado pelos humanos. Em nosso país, milhões de pessoas têm sido devoradas por dentro e por fora, todos os dias, por conta do que absorvem em seus corpos, mentes, almas e espíritos, após relações sexuais ilícitas. No entanto, quem é contaminado também contamina, pois ninguém se une sexualmente a outra pessoa, sem contágio mútuo, seja para o bem (quando dentro do casamento) ou para o mal (quando em qualquer outra situação). Como estamos falando das consequências para o mal, daqui para frente, usarei a palavra contaminação. E tais contaminações podem mudar as pessoas por dentro (mente, alma e espírito) e por fora (corpo).

Imaginemos que alguém saia de casa e resolva pagar por sexo com outra pessoa (garota ou garoto de programa). Tal pessoa corre o risco de se contaminar fisicamente (com doenças sexualmente transmissíveis ou mesmo com outras desordens sexuais físicas, como distúrbios de excitação, causados por determinados tipos de relação sexual.) e também de desenvolver uma consequência na alma e na mente, pois a lembrança do que fez estará com ela todos os dias. Sem falar da contaminação espiritual, capitaneada principalmente por espíritos malignos, que acabam estendendo suas garras de influência em todo ser, como se “entrassem” por meio de tais uniões sexuais.

Entretanto, o problema é ainda mais grave quando a pessoa passa a ter o costume de sair de casa e contratar sexo, ou mesmo de se prostituir, em troca de dinheiro ou presentes, pois não podemos esquecer que a via é de mão dupla. Neste caso, a pessoa pode mudar de prostituta (ou prostituto) ou de cliente quantas vezes quiser, pois isso passa a ser o menor dos problemas, já que a contaminação vai mais fundo, no corpo (com o aumento da probabilidade de adquirir doenças), na mente e na alma, mas principalmente no espírito. Algo que podemos chamar de “espírito de prostituição” se instala na vida dessa pessoa. Tal espírito não é um demônio, mas o resultado da junção de um espírito humano contaminado pela prostituição com espíritos malignos, ambos “transferidos” durante as uniões sexuais ilícitas.

Fica óbvio que não é só o sexo pago que gera tais consequências. Sim, relacionamentos com encontros sexuais frequentes podem acabar, aos poucos, com uma pessoa. Contudo, mesmo relações curtas e breves, que resultam em poucas ou só uma relação sexual, também podem contaminar e trazer consequências terríveis aos envolvidos. Falo de namoros ou noivados fora das diretrizes de Deus, relações em jugo desigual (que não necessariamente significam só uniões entre cristãos e não cristãos), “ficadas” iniciadas em festas, baladas ou algo do tipo, casos extraconjugais (que trazem ainda outras consequências, relativas a destruição de uma família), etc.

É importante ressaltar que sexo não é apenas penetração. Relações íntimas, quando um se dá para o outro, com toques e/ou carícias deliberadas e de cunho sexual, também podem trazer as mesmas consequências.

Apenas o casamento, quando ao menos um dos cônjuges é cristão, garante que não haja contaminação espiritual. No entanto, nem mesmo ele pode garantir que não haja problemas de ordem física (transmissão de doenças, por conta de infidelidade), psicológica (problemas emocionais) e psíquica (diversas formas de desordens que afetam a mente e, a partir dela, emanam consequências para fora). De modo que só o casamento entre duas pessoas boas, que amam a Deus e ao outro, e que se respeitam, anula todos os riscos citados. Quando a mão de Deus está em um casamento, tudo que dali emana é para o bem e para a glória dEle, refletindo, inclusive, a glória de Cristo e da igreja. Assim, todo contágio é de luz, bom e para o bem.

Falei sobre o casamento de novo para propor uma reflexão. Ora, se até nele há riscos, imagine como são terríveis as consequências de relações sexuais fora dele. Embora seja verdade que o risco físico possa ser reduzido, com utilização de preservativos, por exemplo, é praticamente impossível que não haja contaminação mútua no espírito, na alma e na mente. Todo o prazer momentâneo gerado em tais relacionamentos, curtos ou longos, que geram relações sexuais ilícitas, não passa de pura ilusão. Perigosa ilusão. Mortal ilusão.

Se pudéssemos enxergar o interior das almas, mentes e espíritos dessas pessoas, veríamos uma confusão de remendos, como um tecido cheio de retalhos, colocados como consequência das uniões de uma só carne que acumularam durante a vida. Como se carregassem vários traços de personalidade, comportamento, traumas, complexos, pecados e influência malignas, recebidos de pessoas (uma, poucas ou muitas) com as quais tiveram relação sexual (uma, poucas ou diversas vezes). Caso pudessem, por um minuto, olhar-se no espelho e ver isso, ficariam aterrorizadas e jamais repetiriam tais comportamentos. No entanto, não é preciso que enxerguem em um espelho para que percebam. Influencias demoníacas (que induzem a comportamentos cada vez mais inclinados a vários tipos de maldade), sentimentos estranhos na alma (que não faziam parte de quem a pessoa era antes), pensamentos e comportamentos subsequentes (que foram sendo adquiridos pelo caminho, de transa em transa), além de doenças sexualmente transmissíveis ou outros distúrbios sexuais, que englobam os aspectos físico e mental, ao mesmo tempo (como só conseguir se excitar com algum tipo específico de perversão sexual).

Quando Deus nos instrui a guardar a santidade, desde a juventude, deixando de lado as tentações que fatalmente culminarão em relações sexuais ilícitas, Ele não está só sendo moralista, pois Deus não pensa nisso como pensamos. Ele está, na verdade, cuidando da saúde do nosso ser, em todos os aspectos (físico, mental e espiritual). Como Deus, Ele conhece suas criaturas, portanto, também sabe sobre as consequências, das quais acabei de falar. Ora, se você olha para uma criança prestes a colocar o dedo na tomada, ainda que ela esteja achando muito divertido, não vai adverti-la? Como esperar que o Deus que nos ama (a todos) não tente, de todas as formas, avisar-nos e adverti-nos, para que não façamos algo que trará tanta dor e angústia? A falta de pureza sexual não é apenas algo imoral. É, na verdade, algo que adoece e mata, aos poucos, todo o ser. Basta que olhemos para todos os lados e vejamos como as pessoas parecem já ter se acostumado a serem infelizes, sofridas, complexas, suscetíveis a serem objetos ou a usarem outros como tal, facilmente influenciadas, confusas, amigas das trevas, e acometidas de diversos comportamentos, sentimentos e pensamentos, que originalmente não faziam parte de delas mesmas.

Não quero parecer só mais um moralista religioso. Contudo, ao escrever este texto, não posso deixar de alertar as pessoas do quão séria é qualquer união sexual. É possível viver uma vida sexual saudável e feliz, diante de Deus e do conjugue, sendo ambos abençoados e abençoando, por meio do sexo e do convívio diário, em amor. Mas também é possível se entregar à impureza e ter a vida amaldiçoada e destruída, aos poucos, o que resultará fatalmente em angústias sem fim, das quais jamais se poderá fugir (a não ser com a ação de Deus), mesmo buscando mais e mais prazer, pois o momento de colocar a cabeça no travesseiro e ter que encarar a si mesmo sempre chega, seja na hora de dormir ou mesmo depois que o clímax passa e, por alguns segundos, algo do tipo “o que estou fazendo aqui?” ou “Por que fiz isso?” martela e mente e fere e adoece a alma, sem deixar de enegrecer o espírito e ser perigo para o corpo.

O melhor é não se contaminar. É passar pela vida sem receber esses remendos no ser. Contudo, para os que já os têm, desde que estejam vivos, há esperança. A Graça de Deus está pronta a atuar e salvar os que se arrependem e creem no Evangelho. O amor de Deus perdoa-os. O Espírito Santo de Deus liberta e purifica seus espíritos e também pode ajudar a curar suas almas e mentes. Para isso, é necessário, em primeiro lugar, que se abandone o pecado, deixando a impureza no passado. Olhando para a frente e tendo certeza de que, em Cristo, tudo se fez novo, é preciso receber a atuação do amor de Cristo, que limpa e cura. Contudo, há coisas que a pessoa deve fazer, por si mesma. É possível e necessário arrancar cada remendo deixado pelo passado, quando identificados, sempre com a ajuda de Deus. Na medida do possível, é bom que se tente voltar ao que se era antes das contaminações (claro que isso é impossível na totalidade, pois não é possível apagar da mente o que já aconteceu, mas muito dá para jogar fora de si). Além disso, conversar com um conjugue (caso tenha se casado ou venha a se casar), com um pastor ou com amigos cristãos, pode ajudar, em muitos casos.

Antes de finalizar, quero deixar três perguntas reflexivas:

Para quem devemos no abrir?

Quem devemos permitir que entre em nosso ser de tal forma, que torne-se parte de nós?

Se dói tanto para libertar-se das consequências, principalmente por conta das lembranças e marcas na alma, vale a pena o prazer do momento?

Se você está se unindo sexualmente com alguém, é com alguém com quem deseja viver toda a vida, amando e sendo amado, dando e recebendo coisas boas, interna e externamente?

No mais, é primordial que se confie em Cristo para salvação e que se ande com Ele, todos os dias, buscando mais e mais da sua glória, pois nEle está o maior prazer de todos, que, inclusive, proporciona uma vida sexual mais saudável e feliz, no casamento.

Sendo você casado(a) ou não, trate de encher-se de Deus, todos os dias, em primeiro lugar, o resto, diante do que é Jesus para nós, é só o resto e por Ele nos será acrescentado, caso precisemos e seja propósito dEle para nós.

Se identificar espíritos e marcas adquiridos em relações sexuais contaminadoras passadas, coloque-os diante de Deus, na luz de Jesus, para que sejam retirados de você. Desta forma, você será cada vez mais apenas você, livrando-se de tudo aquilo que adquiriu durante o caminho, mas que não era, não é e nem nunca foi você.

Com amor, em Cristo, que purifica de todo pecado, liberta o espírito, cura a alma e nos faz viver em novidade de vida, não mais lembrando-se de nossos pecados,

Pr. Raphael Melo

P.S.: Por favor, se você gostou desse artigo, comente abaixo, compartilhe-o agora mesmo no Facebook e seja instrumento de Deus para que mais pessoas sejam tocadas por essa mensagem. Muito obrigado! 🙂

Comentários do Facebook

Post anterior
Controle Total
Próximo post
A Maior Oferta

Posts Relacionados

No results found

1 Comentário. Deixe novo

  • Pr. Este texto falou tudo que estava vivendo.
    Decide não mais pecar, porém as marcas estão tentando me matar. Me ajude em oração.
    Desde já agradeço
    A paz.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Menu